O controle na verminose e o sucesso do mercado da carne ovina

As verminoses representam uma barreira à expansão da ovinocultura, gerando prejuízos à toda Cadeia Produtiva. O avanço do segmento da carne ovina torna o controle parasitário uma necessidade crucial para um desempenho eficiente e o sucesso dos sistemas de produção.

Visando atender à crescente demanda e consumidores exigentes é fundamental oferecer ao mercado a carne de CORDEIRO, um animal jovem, ainda com dentes de leite e com peso de carcaça entre 11 e 18kg (dependendo do mercado desejado). O tripé para acessar a esses mercados constitui-se em:

– Reprodução (Fertilidade/ Natalidade/ Desmama): produzir e desmamar um maior número de cordeiros dentro do rebanho. Use carneiros de alta capacidade reprodutiva e valor genético.

– Nutrição (Energia/ Proteína/ Minerais): oferecer condições adequadas à máxima expressão da genética para ganho de peso, permitindo que cordeiros sejam abatidos precocemente e com excelente acabamento, como pede o mercado.

– Sanidade (Doenças Infecciosas e Parasitárias): controlar e prevenir as doenças que afetam o desempenho dos rebanhos, sejam infecto-contagiosas (ex: Foot rot, Ceratoconjuntivite, Ectima Contagioso, etc…) ou parasitárias (Verminoses, Piolho, Sarna, Bicheiras, etc…).

A excelência no processo de produção traz grandes resultados produtivos e econômicos à ovinocultura, devendo por fim, se buscar a organização da Cadeia Produtiva para atender aos mercados. Deve-se estruturar o segmento desde à “Produção” ao “Prato do Consumidor”.

Dentre os vermes mais severos, temos o Haemonchus contortus, que se aloja no estomago dos ruminantes (abomaso) e provoca perdas de sangue consideráveis, tanto pelo parasitismo direto quanto pelas hemorragias que provoca na mucosa. Além da hemoncose, outros vermes localizados no aparelho digestivo causam lesões que interferem no aproveitamento dos alimentos e, por fim, impactando no desempenho animal como um todo.

O ciclo de vida dos parasitos gastrintestinais sofre influências do clima ao qual estão expostos. Períodos caracterizados por temperaturas elevadas e alta umidade relativa do ar são fatores predisponentes às altas infestações. Essas condições são facilmente observadas na Estação das Águas ou sistemas irrigados.

O controle das parasitoses internas é realizado através de diversas práticas de manejo e o uso adequado de anti-helmínticos, os quais devem apresentar eficácia contra a população de parasitos internos alvo. Dietas com elevados níveis de proteína tem demonstrado efeitos importantes no controle parasitário de ovinos, portanto, oferecer um programa nutricional adequado favorecerá o desempenho animal pela oferta de nutrientes e pela redução na magnitude das parasitoses que afetam os animais.

A Resistência Parasitária é um desafio severo à ovinocultura, pois apesar da existência de muitos vermífugos no mercado, a maioria é ineficaz em diversas fazendas. O uso contínuo de uma mesma molécula, ou de forma desregrada (subdosagens, excesso de tratamentos ao ano, alterações nas recomendações de bula, etc…), podem levar à falhas no resultado dos tratamentos, chegando a casos extremos de “eficácia zero”, logo após o tratamento.

O ovinocultor deve cuidar os produtos que tem em mão para uso nas vermifugações, pois os lançamentos de novos ativos são cada vez mais raros e ao perder uma determinada droga por ineficácia, essa perda é definitiva, pois Resistência Parasitária é um processo irreversível e transmitido através das gerações de parasitos, ou seja, indivíduos resistentes formarão famílias com essa mesma característica.

Para definir o programa de controle mais adequado à cada situação é fundamental buscar assessoramento técnico qualificado, adotar exames como o OPG e o FAMACHA, para orientação do correto procedimento a ser adotado.

A molécula mais inovadora do mercado de antiparasitários para ovinos é o Monepantel (do exclusivo grupo dos Derivados do Aminoacetonitrilo – AAD), ingrediente ativo do vermífugo ZolvixTM (Elanco Saúde Animal), que possui elevada eficácia contra vermes gastrointestinais (nematódeos), podendo ser usado em qualquer fase do ciclo produtivo, desde cordeiros jovens até ovelhas gestantes.

ZolvixTM tem apoiado o Campeonato do Cordeiro Paulista através do tratamento de 100% dos cordeiros participantes, oferecendo condições de igualdade para a expressão da genética de cada lote, sem interferências parasitárias.  Mais informações sobre o assunto no SAC Elanco 0800 112-690.
ElancoTM e ZolvixTM são marcas registradas de propriedades ou licenciadas pela Eli Lilly and Company, suas subsidiárias ou afiliadas.  (Cód – BRSHPZOL00016).