Aspaco Portal - Raças: Ile-de-France Raças » Ile-de-France

 

Raças especializadas na produção
        de carne ILE DE FRANCE

        ORIGEM - O berço da raça é a França, na região
        da bacia parisiense, denominada Ile de France. A partir de 1816 técnicos
        franceses iniciaram cruzamentos de ovelhas Merino Rambouillet com reprodutores
        New Leicester (Dishley) importados da Inglaterra. O objetivo era obter
        um ovino que reunisse a qualidade laneira do Merino com a aptidão
        carniceira do New Leicester. Os cruzamentos foram dirigidos por August
        Yvart, Inspetor Geral do Estado e professor da Escola Nacional de Veterinária
        de Alfort, daí a raça ser também conhecida inicialmente
        por raça de Alfort. Em 1875 participou da Exposição
        de Paris sob a denominação de Dishley-Merino. Em 1920 a
        raça recebeu uma infusão de sangue Merino Cotentin, com
        a finalidade de eliminar pigmentos escuros da pele do focinho. Em 1 de
        fevereiro de 1922 foi criado o Flock Book, sendo que a raça veio
        a receber a denominação definitiva em 23 de fevereiro de
        1923, quando da fundação do Sindicato dos Criadores da Raça
        Ile de France, em consideração ao nome da região
        de origem.

 

     

ASPECTO GERAL - É um ovino de grande formato,
        constituição robusta e conformação harmoniosa,
        típica do animal produtor de carne. Atualmente é considerado
        uma raça de duplo propósito, com um equilíbrio zootécnico
        orientado 60% para a produção de carne e 40% para a produção
        de lã.

 

     

CABEÇA - Forte, larga ao nível do crânio,
        mocha, de perfil reto ou levemente convexo, principalmente nos machos
        adultos, cara de comprimento médio, chanfro em arco aberto (transversalmente).
        Nuca larga e bem coberta de lã. A lã cobre a cabeça
        até um pouco acima da linha dos olhos, deixando a visão
        completamente livre. Orelhas, cara e mandíbulas devem ser livres
        de lã e cobertas por pêlos brancos, curtos sem brilho. Orelhas
        médias, de boa textura, horizontais ou levemente erguidas, nunca
        pendentes. Quando o animal presta atenção a parte côncava
        dirige-se para a frente, situando-se as extremidades em nível superior
        à base. As mucosas nasais, lábios, pele entre as narinas
        e pálpebras devem ser rosadas.

 

     

PESCOÇO - Curto e forte, arredondado no bordo
        superior, sem papada.

 

     

CORPO - Comprido, largo e musculoso, com conformação
        carniceira. Paletas carnudas, bem afastadas, dando origem a uma cernelha
        larga e em linha com o dorso. Peito largo, profundo e proeminente. Costelas
        bem arqueadas, bem cobertas de carne, e dando origem a um tórax
        amplo. Não deve haver depressões entre as costelas e paletas.
        Ventre levemente arredondado, mas nunca caído. Dorso, lombo e garupa,
        longos, largos e volumosos; bem cobertos de músculos. Quartos muito
        volumosos, arredondados e profundos, com nádegas cheias e entrepernas
        muito profundo e carnudo. Visto de trás o entrepernas e os garrões
        dão a impressão de um "U" largo e invertido.

 

     

MEMBROS - Sendo uma raça carniceira e de muito
        peso, os membros devem merecer especial atenção. São
        de comprimento médio. Ossos fortes, boas articulações
        e devem ter aprumos corretos. Os joelhos, assim como os garrões,
        devem ser bem constituídos e bem afastados entre si. Os cascos
        são grandes e de cor branca, devendo ser bem conformados.

 

     

VELO - Branco, de pouca extensão pesando em média
        4 Kg nas fêmeas adultas e de 5 a 6 Kg nos machos adultos. Mechas
        densas, de secção quadrada, com o comprimento médio
        de 8 cm. O velo deve ser denso e uniforme. Cobre a cabeça até
        a linha dos olhos, guarnecendo as ganachas e o bordo posterior das faces,
        deixando totalmente a descoberto as orelhas e a cara até os olhos,
        inclusive. Cobre bem o ventre, o peito e os membros até os joelhos
        e garrões.

 

     

LÃ - O diâmetro médio das fibras
        de lã varia de 23 a 27 micrômetros, o que corresponde na
        Norma Brasileira de Classificação de Lã Suja às
        finuras AMERINADA, PRIMA A, PRIMA B, e CRUZA 1. Lã untuosa, provida
        de suarda de cor amanteigada (suarda branca é mais rara). Os cordeiros
        podem ter lã curta na cara, chanfro, nos membros posteriores abaixo
        dos garrões e, nos borregos, sobre a pele do escroto. O rendimento
        ao lavado é de 53 a 55 %.

 

     

APTIDÕES

        - Produz uma carcaça pesada e de muita qualidade.

        - Muito precoce

        - Os cordeiros tem muito bom ganho de peso: aos 70 dias pesam 23,2 Kg.
        Dos 10 aos 30 dias de idade tem ganho de peso diário médio
        de 242g, dos 30 aos 70 dias tem ganho diário médio de 287g.
        - Ovelhas pesam cerca de 80 Kg, os carneiros atingem pesos de 110 a 160
        Kg.

        - Muito prolífera, atingindo médias de nascimentos de 160%.
       

        - Produz cordeiros em diferentes épocas do ano.

 

     

DEFEITOS QUE LEVAM A DESCLASSIFICAÇÃO

        - Presença de chifres

        - Constituição muito débil

        - Quartelas (falanges) muito compridas ou muito curtas e excessivamente
        inclinadas, dificultanto a performance do animal

        - Malformações bucais

        - Acentuado desvio da coluna vertebral

        - Anca excessivamente caída e conformação muito angulosa
       

        - Lã cobrindo totalmente a cabeça, prejudicando a visão
       

        - Cabeça totalmente sem lã

        - Mechas terminando em pontas acentuadas

        - Orelhas de pouca textura, muito finas, pequenas e transparentes, inteiramente
        sem pêlos

        - Manchas de lã preta em qualquer parte do velo, ou qualquer mancha
        preta nos membros.

        - Excesso de lã muito grossa nos quartos.

 

     

DEFEITOS INDESEJÁVEIS MAS TOLERÁVEIS

        - Pequenas pigmentações marrons ou pretas nas mucosas nasais,
        lábios, pálpebras, vulva, ânus, períneo e cavidade
        bucal.

 



Aspaco Portal - Raças
 Secretaria de Agricultura e Abastecimento
Ovelheiro Online
O Ovelheiro Ed. 132
Busca Aspaco
Aspaco no Google